terça-feira, 14 de novembro de 2017

Conto de scat que recebi de uma amiga



Amigos do blog! Recebi esse conto de uma amiga e vou compartilhar com vocês!

Meu primeiro scat

Perdi a virgindade aos dezoito anos, por uma questão de criação, acreditava que seria prudente atingir a maioridade. Na verdade, minha primeira vez, cheia de orgasmos e gozo pleno, viria alguns anos depois e seria algo inesquecível...

William foi o garoto com quem já namorava a algum tempo, fiquei meio decepcionada com a frustração da primeira transa, afinal,  nada de inusitado ou marcante aconteceu...

O tempo passou, nos separamos e eu vivia o auge da época da  faculdade, onde a vida é uma aventura inesquecível e bem no final do terceiro semestre, fui com alguns colegas de classe a uma festa na casa do Adriano, um conhecido da turma de Direito. Não éramos íntimos, mas tínhamos amigos em comum e lá fui eu para a festa.

Foi uma noite bem animada, onde rimos, dançamos e paqueramos muito...  Num dado momento, Adriano veio falar comigo, sem muitos rodeios logo estávamos nos pegando de uma maneira muito envolvente, decidi deixar rolar. O som estava alto e ele sussurrou no meu ouvido, me chamando para um lugar mais calmo e sem muita conversa, estávamos em seu quarto.

Começamos a nos beijar freneticamente e com a bebida, não cedi, deixei ele tirar minha calça  e senti suas mãos percorrendo meu corpo, minha bunda, quase enfiando a mão na minha calcinha, mas então, ele se ajoelhou e começou a cheirar minha buceta, sobre a calcinha já molhada de tesão e me virou de costas, enfiando sua cara em minha bunda, dando mordidinhas, me arrancando gemidos que eu tentava segurar, daí ele se levantou, me sentando na cama e tirou seu pau que quase explodia dentro da calça, me fazendo engolir quase tudo, mas eu, experiente e amante de sexo oral, comecei a mamar vagarosamente, engolindo como se minha boca fosse uma buceta, eu percebi que ele quase ia gozar, mas de repente, tirou o pau e me pôs de quatro,  dizendo que ia comer meu cuzinho, que sonhava me enrabar, me perguntando “Minha putinha, gosta de dar o cú?”

Não tive tempo de responder, e senti seu dedo roçando a portinha do meu cuzinho, e o tesão que eu estava enorme, não conseguia controlar meu cú piscando, pedindo mais e sugando o dedo . Eu sentia tanto tesão do jeito que ele me tocava, que me entreguei completamente a sua mão, e quando ele meteu o dedo lá no fundo, sentiu que eu estava “cheia”, tirou o dedo e começou a cheirar... Eu fiquei meio envergonhada, mas vi seu olhos cheios de tesão e me deixei deliciar por tudo.

Ele voltou a cheirar minha bunda, abrindo bem até meu cuzinho, fungando e cheirando de um jeito delicioso... Fez isso por um bom tempo, até sentir meu sulco escorrer pelas pernas, e meteu seu pau, com bastante força, me segurando pelos cabelos, me forçando para trás e me falando um monte de palavrões... Eu não conseguia conter meu corpo e sentia que estava com muita vontade de fazer cocô, mas  tive vergonha de falar, na verdade, nem queria, então ele cedeu um pouco , tirou o pau do meu cuzinho e o cheiro delicioso de merda me deixou mais excitada...

Veio até minha boca, me deu aquele pau lambuzado de cocô e me fez engolir tudo, depois me beijou e voltou a me enrabar... Quanto mais ele fodia e me mandava cagar, mais tesão eu sentia! Um tesão incontrolável e intenso, até que eu relaxei e caguei bem gostoso , empurrando  o pau com minha merda. Quando acabei de cagar, ele meteu mais forte ainda, me chamando de “porca gostosa” e logo gozou dentro do meu cú... Ficamos abraçados por um bom tempo, aquele cheiro de sexo regado a cocô e ele me deu um beijo,e me chamou “minha princesinha do Scat”.

Lily Scat

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Os zombeteiros do scat



Uma coisa muito comum no scat (infelizmente) são aquelas pessoas que começam a conversar com você, todas atenciosas, amorosas, falam de scat, imaginam cenas e, quando você tenta um contato mais próximo para se conhecerem pessoalmente, a criatura some, desaparece, te bloqueia e não responde mais.

Quem nunca viveu algo assim? Há algumas possibilidades para que isso aconteça. Pode ser que a pessoa tenha ficado com vergonha ou receio, pode ser que tenha dado medo e pode ser que a pessoa seja um fake. Fakes são criaturas que passam por outras. Logo, não podem marcar um encontro pessoal ou mostrar a cara.

Aos que têm medo, receio ou vergonha, recomendo que tentem refletir, relaxar. Partir da teoria à prática no scat é um primeiro passo sempre difícil. Sim, dá frio na barriga, treme o corpo todo, bate a insegurança. Afinal, será que estou fazendo a coisa certa? Scat é algo que posso fazer sem me preocupar? Sim! Mas precisa ter confiança e coragem!

O bate-papo pela internet é ótimo! Rende punhetas memoráveis! Vcs trocam fotos, vídeos, whatsapp... Mas e na hora do encontro pessoal? Como sair da zona de conforto atrás da tela do computador ou celular e tocar um parceiro real? Uma pessoa que curte scat que nem você? Muita gente fica tensa num momento que deveria ser emocionante, relaxante e de tesão puro!!

Então, seguinte... muita calma, fique tranquilo... beba algo pra relaxar e se permita ser feliz! Permita-se ter a liberdade de fazer o que sempre quis! Entregue-se ao seu tesão instintivo! Tem aquela frase famosa nas redes sociais... "Se der medo, vai com medo mesmo!" É isso! Só o primeiro encontro é assim... Depois você se acostuma. Isso passa!

Aos que são fakes, só lamento. Deve ser muito ruim não ter coragem para ser quem é! Para viver o que você curte e ter de se passar por uma outra pessoa! Quanto sentimento reprimido! Isso não vale a pena! Não vai levá-lo a lugar algum! Tente usar a razão... veja quanta gente infeliz tem no mundo. As pessoas de bem merecem ser felizes! Sentimentalmente, sexualmente, econômica e financeiramente, profissionalmente, etc. Portanto, repense seu perfil fake... que tal transformá-lo em real? Vamos viver mais!

Um cheiro no cu! Não esquece de adicionar no face (Leon Scat) ou skype: amocheirarmerda@hotmail.com

domingo, 6 de agosto de 2017

Poema que recebi de uma amiga especial


 As palavras dizem tudo... sem mais.

Um dia quando você pediu como cavalheiro sedento para   saciar sua fome,  descobrindo esse seu desejo pelo Scat...essa sua essência...fiquei louca para ser desejada.... E com você eu me transformo Satisfazendo suas vontades ... e dizendo loucuras ao pé do ouvido !! Esse seu olhar de predador Faz assim:
Avança em mim Não pensa...
dispensa todo o pudor,
me avança,seja lá como for,
mas que venha por inteiro
fique ao meu dispor...
te espero,
 Te quero...
Assim  ...
Quero só que se lambuze,
que me abuse
. Quero te sentir quente suado,
Eu quero sentir teu cheiro, cheiro doce, Incandescente, inebriante!
Eu quero sentir teu gosto, Tua boca, Tua língua indecente, eu quero ouvir tua voz dizendo tudo ao meu ouvido.
Eu quero sussurrar em seu ouvido enquanto um pedaço seu
Penetre bem gostoso em mim... e como eu quero.
Ah!...
Eu quero mais muito mais!
Eu quero te dar prazer,  deixar que exploda em minha boca
Eu quero te ter, quero que sinta minha pele arrepiada, Meu cheiro, Meu gosto, Meu sexo!
Quero que aperte meu peito de prazer, alise meu peito, e morda meu pescoço levemente. Aperte a minha Bunda...dê aquele cheiro delicioso no meu CU...
, eu quero meu corpo no teu, minha boca na tua!
Eu quero ...um pouco de você quente escorrendo  dentro de mim... bem fundo.
Em êxtase profundo
Ah...minha sementinha...você brotou em mim...

Um cheiro no cu! Add no skype: amocheirarmerda@hotmail.com

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Minha primeira vez no SCAT! Sim, fui insano e irresponsável! Mas gozei demais!


 Bem, depois de muito fazer "scat solo" e ver milhares de vídeos na internet, não aguentava mais a punheta. Precisava partir para a ação e realizar scat. Eu precisava experimentar o cocô de outra pessoa, cheirar, lamber...

Mas onde eu iria encontrar alguém? A primeira saída foi procurar uma garota de programa que fizesse. Achei, uma loira linda. Atriz pornô. Depois de muito pensar se devia ou não, liguei e marquei. E lá fui, ao flat dela. Paguei 200 reais. Não vou dizer que foi ruim, mas aprendi ali que seria a primeira e última vez que pagaria por scat.

Scat não é uma relação fria e comercial. Tem que ter prazer das duas partes. Ambos devem curtir com muito tesão o momento. A moça deixou o cu sem lavar. Mas não estava fedido como eu gosto, pois garota de programa sempre tem que tomar muitos banhos. Ela também não conseguiu cagar muito. Acho que não tinha material suficiente... rsrsrsrs.

Sobrou o anal sujo, que serviu de alguma coisa... mas não foi a melhor das sensações. Não saí daquele encontro satisfeito. Queria alguém que curtisse e não cobrasse. De novo, a pergunta. Onde encontrar alguém?

Comecei a abrir sala de bate-papo no UOL, com o nome de scat, cocô, peido. Consegui alguns contatos. Mas como confiar em pessoas que nunca vi? Levava esses contatos para o skype e tentava fazer chamada de vídeo, para conhecer melhor as pessoas. Até que uma moça, que não morava longe, me pareceu mais disposta e se mostrou uma pessoa legal.

Depois de conversar no skype, ela disse que podia naquele momento. Eu estava de boa, em casa. Era uma tarde de dia de semana. E ela veio até minha casa (olha o risco que corri! rsrsrsrs). A vontade foi maior. Foi tudo muito rápido. Ela passou menos de meia hora comigo. Chegou, tirou a roupa e cagou na minha cara. Nem bem o cocô saía do cu dela, eu gozei, pois esperava aquilo por anos da minha vida.

Não foi uma ejaculação precoce. E sim um orgasmo contido por anos. Tanto é que, quase ato contínuo, gozei uma segunda vez. Ela cagou na minha cara. Apenas isso. Eu me lambuzava com o cheiro e o gosto. Ela se limpou e saiu. Mal trocamos 2 palavras. Mas eu curti! Muito! Considero essa minha primeira vez no scat. Depois, perdemos contato. Acho que ela começou a namorar, eu já era casado, enfim...

O importante é que essa seria minha primeira vez no scat. Se você me perguntar como foi minha primeira transa, juro, nem lembro direito. Agora essa, vou guardar pra sempre. Sexo pra mim é scat. Sem isso, perde completamente a cor, o brilho, o desejo, a excitação. No próximo, conto mais histórias minhas de scat que foram bem sucedidas. Beijos e um cheiro no cu. Add lá no skype: amocheirarmerda@hotmail.com

terça-feira, 20 de junho de 2017

Minha vida scatter, da infância à fase adulta


Alguns filósofos dizem que o ser humano entende melhor o mundo quando passa a olhar para dentro de si mesmo e se compreender. Por isso, antes do breve relato sobre minha primeira vez no scat, é preciso um breve resumo da minha vida scatter, até chegar à fase adulta e procurar o sexo na outra pessoa.

Nasci scatter. E sempre tive convicção disso. Assim como o BDSM nasce BDSM, o gay nasce gay, a lésbica nasce lésbica. Sexualidade é cerebral. É genética. Scat é mais do que uma prática ou um gosto ou um fetiche ou um capricho. Tampouco é cereja do bolo. Scat é sexualidade. Está na alma. Sexualidade é o maior impulso motor que o ser humano pode ter.

Portanto, nasci scatter. Aos 7 anos, eu já sabia que isso me excitava. Em toda brincadeira de criança, dava um jeito de colocar aquelas brincadeiras de médico para ver amiguinhos e amiguinhas sem roupa e poder, de alguma forma, tentar cheirar a bunda. Ainda que isso parecesse estranho, criança leva tudo na boa.

Conforme fui chegando à pré-adolescência e adolescência (isso nos anos 90), o desejo foi ficando maior, mas a sexualidade já tendia a se deslocar para outra pessoa. No entanto, para mim, era prática comum e corriqueira passar o dedo no cu e cheirar. Adorava. Meu pau ia à Lua!

Aos 12, 13 anos mais ou menos, avanço um passo. Cago no chão do banheiro e cheiro meu cocô. Gosto. Dá tesão. Vou além. Lambo e sinto o gosto. Orgasmo a mil! Gozo quase mesmo sem encostar no pau. Estava em êxtase. Mas ainda não completo. Esse era apenas meu mundinho. E eu queria isso de outra pessoa, no mundão lá fora.

Só que a adolescência era assim. Limitada. Liberdade quase inexistente. Muitas perguntas, poucas respostas. Então, caminhava como podia. Com meu cu, meu cocô que eu gozava e me divertia. Meu primeiro passo para chegar ao cu e ao cocô alheios foi pelo caminho mais simples. Na escola, colégio. Indo aos banheiros. Tentando achar na privada algum cocô que não tinha descido. E, no cesto, papeis sujos, com restos do cocô de outro garoto. Ou mesmo com o cheiro do cu. Não me importava se era de menino nessa época (até porque eu só podia entrar em banheiro masculino - escola tinha sempre alguém olhando ou inspetores). Eu queria era sentir o cheiro do cocô e do cu de outra pessoa!

E assim foi mais um bom tempo de vida. Cheirando cocô em privada e em papéis no cesto. Lambia. Nunca peguei uma doença sequer. Nenhuma verminose. Corri riscos? Sim. Mas o tesão foi maior. Sexualidade é sim o maior impulso humano. Batia punheta enquanto fazia isso. Gozava litros.

Na faculdade, já depois dos 20 anos, tive acesso à internet em um dos laboratório de informática. Tinham uns computadores bem reservados, num cantinho da sala. Ali, comecei minha pesquisa de mais de 15 anos sobre scat. Também queria achar vídeos. Porque, até então, tudo que eu tinha vivido, apesar de real, nunca tinha visto acontecer entre duas pessoas. Como parte do ato sexual. Até ali, tudo o que eu pensava de scat era apenas imaginação. Porque eu fazia sozinho e coisas escondidas. Existiriam realmente outras pessoas que curtiriam a prática? Elas se relacionariam sexualmente? Como seria?

Até que achei um vídeo sobre o assunto. Quase nada de material na net sobre isso. Mas fucei e achei. Digitava "sexo com cocô" nas buscas. E encontrei o termo em inglês, scat! Acheiiiiiiii! Um vídeo de menos de 15 segundos. O primeiro que eu via com a pessoa de bunda redonda e lisinha cagando na boca da moça (abaixo). Gozei ato contínuo. Não coloquei a mão no pau. Não precisou. Minha barriga tinha borboletas. Parecia que ia explodir. Nunca havia sentido nada igual. Orgasmo espontâneo. Sim, existiam scatters no mundo! E era como eu imaginava. Cagando direto na boca... Nossa... foi demais.




Continuei a pesquisar todos os dias depois disso. Cada dia, achava algo novo. Até que o virtual não satisfez mais. E eu precisava de algo real. Estava subindo pelas paredes. O sexo convencional nunca me atraiu. Tinha até dificuldade em fazer, pois faltava tesão. Eu tinha que experimentar o scat! E um dia, aconteceu. Mas conto no próximo post, pois este ficou longo demais... Muita gente me cobrando para ser regular nas postagens. Prometo que tentarei. Beijos e um cheiro no cu. Add lá no skype: amocheirarmerda@hotmail.com

segunda-feira, 19 de junho de 2017

O orgasmo mágico do scat


Quem lê este blog sabe que a intenção principal é informar e esclarecer sobre a prática do scat e divulgá-la. Mas, hoje gostaria de dividir com vocês a sensação que toma meu corpo ao realizar meus desejos. Quem sabe, meu relato anime a fornecedores tímidos doarem seu scat ou a receptores ainda com nojo ou receio de receber cocô a se libertarem e experimentarem o maior prazer físico e mental que um scatter pode ter.

Como disse Nicolau Maquiavel, quanto mais próximo o homem estiver de um desejo, mais o deseja; e se não consegue realizá-lo, maior dor sente. O scat é exatamente isso. E por ser tão difícil e tão tabu, é ainda mais delicioso.

Realizei scat algumas vezes na vida. Vou tentar relatar o que me agrada e o que não me agrada. Quando combino um encontro, peço para que a pessoa, um ou dois dias antes, deixe o cu sem lavar. Eu simplesmente AMO cheirar cu fedido. Bemmmmmm fedido. E quando abro a bunda e aquele cheiro gostoso sobe, nossa, que delícia. Que coisa íntima! E, quando acontece ao contrário, e percebo que a pessoa lavou o cu e não está fedido como eu gosto ao abrir a bunda, nossa, que decepção... Isso porque eu sempre peço... É como se a pessoa não ligasse pra mim, não desse a mínima atenção ao que eu pedi. Algo tão simples de fazer... Fico revoltado. Extremamente chateado.

Continuando. Abrir uma bunda bem fedida e cheirar um cu é uma das coisas mais prazerosas que existem. Não sei o efeito que causa no cérebro... só sei que a sensação de prazer é total, gigante! E tem mais! Quando você está cheirando e a pessoa ainda força o cu contra seu nariz, piscando, é sensacional! Você sente cada prega na sua narina... uma delícia sem fim.

E, às vezes, com essa forçada, vem um ou dois peidos. O cheiro de tudo isso é de um tesão sem explicação. Só se iguala a ver o cu abrindo e saindo o cocô, diretamente para sua cara ou para sua boca. Aquele gostinho delicioso do que o organismo processou e transformou numa massa marrom com um cheiro delicioso.

Não tenho com explicar as sinapses cerebrais, a liberação de hormônios, serotoninas, etc. Eu só sei que o scat me faz absurdamente feliz. Ser scatter, também. Só que, infelizmente, 90% do tempo acontece ao contrário. Pois achar gente para praticar scat é difícil. Alguém que tenha seu perfil complementar então, mais ainda.

Explico o prfil complementar: sou apenas receptor, não doador. Então, preciso de uma pessoa que só forneça. Que saiba deixar o cu com o cheiro que gosto e sinta tesão em dar o cu pra cheirar e lamber e cagar em cima de mim, na cara, peito e boca.

Então, para achar alguém que more relativamente próximo, com esse perfil detalhado, não é fácil. E, por isso, a realização do desejo é rara. Existe, mas é rara. O que aborrece demais... Mesmo assim, tento ser otimista e sigo em busca sempre. Hoje, deu uma angústia e, por isso, fiz esse post. Contatos e conversas absolutamente rasos. Pena. Desejo a você que lê este blog muita sorte em suas buscas. E muitas realizações no scat. Solte-se. Descubra-se. Permita-se. Forneça. Receba. Goze! Viva o cocô! Viva o cu fedido! Um cheiro no cu!

Add no skype se quiser: amocheirarmerda@hotmail.com

quinta-feira, 30 de março de 2017

Sobre presentes e pessoas legais no scat




Passei muito tempo da vida angustiado e reclamando pela falta de scat. Hoje, aos 36 anos e 15 de pesquisa do assunto, sinto que a maré começa a virar. Tenho conhecido, recentemente, pessoas legais e que realmente curtem a prática. Sim, tenho praticado mais e também conversado mais com as pessoas sobre scat.

Há poucos dias, conheci uma pessoa muito bacana. Uma jovem de 21 anos. E ela parece curtir muito. Tenho conversado bastante com ela e tentado ajudar para que ela se solte cada vez mais e possa expor e realizar seus desejos sem medo.

E hoje fui agraciado com duas fotos de presente. Uma do cocô e uma em que ela escreveu meu nome e um coração. "Uma declaração de amor de scat", como ela disse. Ainda não nos conhecemos pessoalmente, mas ela é uma simpatia. Uma graça. Tem uma ótima cabeça. Agradeço demais pelo presente, que ela pediu que postassse. Aqui está. Espero que goste, moça!

E lembrem-se: vamos divulgar mais o scat! Chamem lá no skype: amocheirarmerda@hotmail.com. Um cheiro no cu!

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Você tem contatos para scat?


 Esta é a pergunta que mais me fazem. Os leitores do meu blog ou que leram minha entrevista ao site Pergunte a uma Mulher me adicionam no Facebook e no Skype mega empolgados! E, não raras vezes, a primeira pergunta que me fazem é: você tem contatos para scat? Conhece alguém que curte? Conhece alguma mulher que goste de fornecer?

Amigos! Se a vida fosse fácil, não tinha graça. Encontrar praticantes, simpatizantes e pessoas que curtam é uma missão árdua! Sou scatter desde que nasci, mas pesquiso o tema mais a fundo desde 2002. E, de lá para cá, encontrei poucos praticantes sérios ou pessoas que realmente curtem o scat.
Mulheres então, uma raridade. Por diversos motivos. As que gostam, alguma vergonha de admitir. As outras, geralmente não curtem. Ou por serem "limpinhas" demais ou por acharem nojento, ou por abominarem mesmo. Até aí, natural. Ninguém é obrigado a gostar do mesmo que a gente, né! É bem difícil de achar fornecedoras ou doadoras, como queiram chamar.

Alguns homens já topam mais. Mesmo assim, é difícil de encontrar um perfil bacana, complementar. Há quem só procure fornecedores, há quem só procure receptores, há quem goste de corpo liso, corpo de "urso", etc. Os gostos são os mais variados possíveis. Ainda assim, achar seu perfil complementar é uma tarefa bem complicada.

Respondendo à pergunta do início do post. Não tenho contatos. Vivo em constante busca e procura. Alguns contatos que tinha, perdi. Mas, por isso mesmo, criei aqui um post de anúncios, para que as pessoas possam compartilhar os gostos e dizerem o que estão buscando. Espero que, de alguma forma, ajude. No mais, recomendo paciência e persistência na busca. Pesquiso o scat há 14 anos e nesse período, achei pouca gente que realmente partilha da prática... Mas sim! É possível achar! Portanto, sem desânimo e vamos batalhar! Um cheiro no cu!

Skype: amocheirarmerda@hotmail.com
Facebook: Leon Scat

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Dica para tirar o cheiro após scat

 
Amigos! Aprendi com uma amiga sensacional uma dica espetacular para tirar o cheiro da pele após a prática do scat. Simples e funcional. Reflitamos: para quê, afinal de contas, a mulher usa o sabonete íntimo? Para tirar (ou amenizar) o cheiro das "partes". Pois é. E esse sabonete é ótimo para neutralizar cheiros!

Assim, a dica é simples. Após o scat, tome um banho e passe sobre a região o sabonete íntimo feminino. Depois, use seu sabonete normal de banho! Diminui bastante o cheiro residual na pele, embora um restinho sempre fique... Mas, acho que é uma dica valiosa! Aproveitem! Um abraço e um cheiro no cu! Adicionem no skype: amocheirarmerda@hotmail.com

quinta-feira, 2 de junho de 2016

O scat como adubo da semente humana


Preciso muito contar a vocês algo maravilhoso que aconteceu em minha vida. Certa vez, em minha rede social, recebi um pedido de amizade de uma mulher linda. Tínhamos poucos amigos em comum e nunca a tinha visto, mas resolvi aceitar. Começamos a conversar e descobri nela uma pessoa linda, por dentro e por fora.

Carinhosa, meiga, atenciosa, um docinho! Conversamos bastante e, conversa vai, conversa vem, a amizade vai se estreitando. Com um pouco mais de intimidade, começamos a falar sobre sexo. Ela me contou que sempre teve apenas um único homem (seu marido) e que o sexo sempre foi limitado. Ela tinha fantasias que não podia contar ou mesmo realizar já que seu marido é conservador.

Assim como a sociedade, que adora julgar as pessoas com falsos moralismos e jamais olha para o próprio umbigo. Bem, ela revelou-me seus segredos e taras e eu, tentei fazer o mesmo. Não é fácil para alguém admitir que gosta de scat. Principalmente para uma amiga tão bacana quanto ela. Sempre dá, lá no fundo, medo de perder a amizade ou de ser julgado como um doente...

Não disse diretamente a forma pela qual mais amo obter prazer. Comecei dizendo que gostava de fart, ou seja, de receber peidos na cara. Ela não estranhou e não julgou. Dei algumas pistas. Ela correu atrás. Descobriu este blog. Sabe que sou eu.

Para até minha surpresa, adorou saber de minhas preferências. Disse que meus desejos dão prazer nela. Não me julgou um momento sequer. Não me condenou, não me olhou torto, não mudou a maneira de falar comigo. Nos adoramos. As conversas são sobre tudo e as melhores possíveis. Foi a melhor surpresa que tive em muitos anos. Já nos vimos pessoalmente uma vez, em um contexto social.

Agora, planejamos um encontro sexual. Com tudo e todas as taras a que temos direito. Mal posso acreditar. Ela é linda... Disse que terá o maior prazer em realizar minhas taras. E disse que o scat é um adubo. Vai adubar minha semente com cocô para ver nascer uma linda flor cheia de gozo, tesão e intimidade. Acredito que tenha sido a coisa mais linda e poética que já ouvi sobre scat na minha vida. Há algum tempo já queria ter relatado isso a vocês. O encontro se aproxima. Ela é uma pessoa especial.

Este relato é para que vocês vejam como uma amizade sincera, um bom papo, pode até evoluir para uma intimidade em que tudo seja permitido. Inclusive, nossas fantasias mais íntimas. Como o scat, que é a minha. Que sejamos felizes! Sim, ela lê este blog. E tenho certeza de que lerá este artigo com a mesma emoção com a qual escrevi. Um abraço a todos e um cheiro no cu!

Qualquer coisa, o skype está aí! amocheirarmerda@hotmail.com